Eternidade

Eternidade

domingo, 3 de junho de 2018

´Reflexões


"Onde quer que te encontres, semeia e semeia luz,
mediante as palavras e o comportamento saudável.
Entretanto, se não puderes fazê-lo exteriormente, 
em razão dos impedimentos complexos, 
semeia pelo pensamento, esparzindo 
alegria de vida sã, 
de afetividade desinteressada." 

Joanna de Ângelis
Entrega-te a Deus, cap. 2 

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Sementeira


Abre-se a floresta até então intransitável e densa.

Definem-se dificuldades, pântanos, espinheiros...

O semeador, porém, não se confia ao desânimo.

Traça Planos.
Ataca o serviço.
Realiza o milagre.

De início, é o desbravar.

Em seguida, surgem os imperativos de preparação do solo e de seleção dos recursos.

A cova minúscula e escura recebe a semente pequenina, que perde os envoltórios com a colaboração do tempo.

Só então, é possível a promessa do grelo tenro.

Todavia, não param aí os desvelos e as vigílias do semeador.

Hoje, é necessário proteger a plantinha frágil contra o esmagamento; amanhã, é imprescindível furta-la ao assédio dos vermes destruidores.

Agora, pede a lavoura iniciante adequada medida contra a canícula rigorosa; depois, reclama providências que a salvem do aguaceiro.

A fronde, a flor e o fruto representam, no entanto, o precioso prêmio.

Assim também, é a sementeira espiritual.

Nas profundezas da mente inculta caem os princípios da Divina Sabedoria.

Ninguém exija, contudo, o resultado absoluto num instante.

Quantos séculos teremos dispendido, na formação da selva de nossos instintos e de nossos caprichos obscuros?

O serviço de adaptação e educação reclama tempo e paciência para que a colheita do conhecimento e do amor, em cada alma, enriqueça os celeiros da Terra.

Não esperemos que o nosso companheiro de experiência nos ofereça a perfeição impraticável de um momento para outro.

Se procuramos o Cristo, gravemos as lições dEle, em nós mesmos, antes de impô-las aos semelhantes.

Adubemos o solo dos corações com a luz do bom exemplo, com a bênção da fraternidade, com flor do estímulo e com o silêncio da compreensão.

Não firamos, onde não possamos auxiliar.

O Sol resplandece sem palavras, curando as chagas do Planeta.

A fonte rola contando, sem acusações, colada ao dorso da Terra.

O vento fecunda a natureza, sem exigências.

Amemos sempre.

O coração que se devota à fraternidade não usa o poder do verbo para denegrir ou dilacerar.

Passemos auxiliando.

Compadeçamo-nos do cardo que ainda conserva aguçados acúleos.

Compadeçamo-nos das ervas envenenadas, que ainda não conseguiram modificar a própria seiva.

Compadeçamo-nos das árvores infelizes, cujos galhos ressecaram pela pobreza do ambiente em que nasceram.

A senda é longa.

A romagem solicita o esforço das horas incessantes.

Sigamos improvisando o bem, por onde passarmos.

Guarde a nossa luta a sublime experiência do semeador.

Compreendamos o cipoal, auxiliemos o chão duro do destino e aproveitemos a lama da estrada para o bem geral, projetando na terra das almas as sementes benditas que o Mestre nos confiou.

E, esperemos o tempo, de vez que o tempo é o patrimônio da Divina bondade que na esteira dos dias, dos anos e dos séculos, nos oferecerá sempre à colheita de nossa vida, segundo as nossas próprias obras.


do livro Doutrina e Aplicação, por André Luiz (Espírito) e Chico Xavier

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Os trabalhadores da última hora

 "O tempo não é condição demarcatória para candidatar-nos 
a ser ou não cristãos,
mas sim nosso comportamento diante da mensagem.


“O reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu de madrugada, a fim de assalariar trabalhadores para a sua vinha.”

Deus, este Pai de família que cria incessante e obstinadamente, convida todos nós a trabalhar na sua vinha, em sua obra. Alguns chegaram muito antes, outros depois, enquanto há aqueles que ainda não despertaram para a verdade bendita, a transformação moral que O Evangelho Segundo o Espiritismo, a Doutrina Cristã e o Mestre Jesus vieram nos ensinar.

Em suas passagens evangélicas, Jesus sempre traz, na simplicidade do ensino, as experiências pessoais do povo. Nós, espíritas, fazemos o mesmo para convocar as pessoas a um pensamento, a um entendimento mais fácil, para que depois, cada um à sua maneira, possa trazer para a sua vida pessoal e para as suas experiências a compreensão daquela mensagem. Jesus sempre traz um elemento pedagógico para fixar o aprendizado.

“Tendo convencionado com os trabalhadores que pagaria um denário a cada um por dia, mandou-os para a vinha. – Saiu de novo à terceira hora do dia e, vendo outros que se conservavam na praça sem fazer coisa alguma, – disse-lhes: Ide também vós outros para a minha vinha e vos pagarei o que for razoável. Eles foram.”

A questão do denário é para explicitar a vinculação ao pagamento, entendendo-se aqui que foi estipulado um valor como provento pelo serviço prestado. Outro ponto a ser destacado neste trecho: pagará o que for razoável. Todos nós que nos dedicamos à labuta espírita, falando dos trabalhadores em particular, nos convencionamos, mesmo que implicitamente, a um “salário”. Este pode ser pago através da prece ou acreditando que os bons Espíritos, alguma obra ou algo de bom nos ajudarão nos momentos de sofrimento.

Estipulamos algo, um pagamento, mesmo de forma inconsciente, proporcional àquilo que estamos fazendo. Vivenciar, pois, o altruísmo é algo difícil de ser verificado. Significa sair e deixar de enxergar a si próprio e passar a observar a necessidade do outro, sem esperar algo em troca. Podemos não esperar do outro, mas esperamos dos Espíritos, da Divindade, da Lei, de alguém. De alguma forma combinamos uma retribuição, uma restituição por aquilo que estamos fazendo. Então, por analogia, todos aqueles que eram convocados a trabalhar na vinha daquele senhor esperavam receber o pagamento razoável diante de seu trabalho.

“Saiu novamente à hora sexta e à hora nona do dia e fez o mesmo. – Saindo mais uma vez à hora undécima, encontrou ainda outros que estavam desocupados, aos quais disse: Por que permaneceis aí o dia inteiro sem trabalhar? – É, disseram eles, que ninguém nos assalariou. Ele então lhes disse: Ide vós também para a minha vinha.”

A questão das horas destacadas explica-se porque, à época, o dia de trabalho começava às seis horas da manhã e terminava às dezoito horas. As horas em questão são respectivamente: seis, doze, quinze e dezessete horas. A hora undécima, correspondia às dezessete horas, sendo este o elemento estranho da passagem.

Aos que desejamos trabalhar na Vinha do Senhor, que procuramos por essa renovação moral, por essa transformação de nós mesmos, que buscamos o melhoramento, que temos como ponto de partida a modificação interior para chegarmos à perfeição, para todos nós, não importa a hora da vida que acordamos para a verdade eterna. Se são nas nossas primeiras horas da encarnação, alguns adentram na adolescência, outros na fase adulta, uns na idade madura, outros às portas de desencarnar, na hora undécima, mas todos somos convidados pelo Senhor.

Que importa em que momento estamos? Todos nós abraçamos a Doutrina Espírita, voltando o olhar para esta mensagem rediviva que nos cala fundo e nos diz que existe uma vida melhor, bastando nos colocarmos à disposição dessa modificação, trabalhando por nós, melhorando quem somos no silêncio do aprendizado.

“Ao cair da tarde disse o dono da vinha àquele que cuidava dos seus negócios: Chama os trabalhadores e paga-lhes, começando pelos últimos e indo até aos primeiros.”

Mesmo entre os espíritas este trecho causa certo desajuste. Esquecemos que nosso acordo foi com a Lei, com a própria consciência, não com os homens. Aportamos numa instituição e nos candidatamos a realizar trabalhos, abraçando um após outro, e às vezes verificamos que outro companheiro espírita realiza somente um e é ovacionado. Tal fato pode causar descontentamento. Mas será que ao absorvermos os trabalhos que nos foram ofertados, realmente entendemos o sentido da obra ou queríamos tão somente ser bem quistos pela coletividade?

“Aproximando-se então os que só à undécima hora haviam chegado, receberam um denário cada um. – Vindo a seu turno os que tinham sido encontrados em primeiro lugar, julgaram que iam receber mais; porém, receberam apenas um denário cada um. – Recebendo-o, queixaram-se ao pai de família, – dizendo: Estes últimos trabalharam apenas uma hora e lhes dás tanto quanto a nós que suportamos o peso do dia e do calor. Mas, respondendo, disse o dono da vinha a um deles: Meu amigo, não te causo dano algum; não convencionaste comigo receber um denário pelo teu dia? Toma o que te pertence e vai-te; apraz-me a mim dar a este último tanto quanto a ti. – Não me é então lícito fazer o que quero? Tens mau olho, porque sou bom? Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos, porque muitos são os chamados e poucos os escolhidos.” (S. MATEUS, cap. XX, vv. 1 a 16.)

Quando nos dedicamos a qualquer obra, inclusive a de renovação íntima, acordamos com a Divindade o que entendemos como sendo bom e razoável. Somos, contudo, tão infantis espiritualmente que quando vemos nosso próximo recebendo um pouco mais do que estamos recebendo, e acreditamos que ele não se esforçou tanto quanto nós, reclamamos com a Divindade, esquecendo-nos da carga reencarnatória de méritos que possuímos e o porvir da criatura.

Às vezes estamos há décadas na Doutrina Espírita, mas ela não completou um ano em nossas vidas, enquanto outros adentraram há pouco e já a incorporaram plenamente. O tempo não é condição demarcatória para candidatar-nos a ser ou não cristãos, mas sim nosso comportamento diante da mensagem. Somos todos trabalhadores da última hora, sendo convocados incessantemente pelo Pai, num convite amoroso a trabalharmos na sua Vinha de Renovação.
 
por Walkiria Lucia de Araujo Cavalcante
Revista Internacional de Espiritismo - março/2018


�� OS EXILADOS DE CAPELA, ESPÍRITOS REBELDES RECOMPOSIÇÃO DAS ALMAS DESTI...

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Alegria da Prece


"(...) Se soubésseis quanto a fé faz bem ao coração e leva a alma ao arrependimento e à prece! 

A prece! Ah! Como são tocantes as palavras que saem da boca que ora! 

A prece é um orvalho divino que destrói o maior calor das paixões; filha primogênita da fé, ela nos conduz ao caminho que leva a Deus. 

No recolhimento e na solidão, estais com Deus; para vós não há mais mistérios, eles se vos revelam. 

Apóstolos do pensamento, para vós é a vida; vossa alma se desliga da matéria e rola nesses mundos infinitos e etéreos que os pobres humanos desconhecem." 


O Evangelho Seg. o Espiritismo - Cap.XXVII - it 23

Entrevista com Haroldo Dutra Dias: Convivendo com os Espíritos

Biografia - Espírito Ismael